terça-feira, 29 de julho de 2008

FOCAS




CARACTERÍSTICAS

Foca, no sentido lato, é um mamífero da super-família Pinnipedia, família Phocidae, adaptado à vida marinha. O corpo de uma foca é hidrodinâmico, semelhante a um torpedo, com os membros posteriores e anteriores em forma de nadadeira. Outro detalhe interessante é que as focas não possuem orelhas, o que as distingue da família Otariidae (leões marinhos).Todas essas características fazem das focas excelentes nadadoras, mas em contra partida as focas não tem habilidade em terra firme sendo presas fáceis para ursos polares e caçadores. São de sangue quente e amamentam as crias. Ela é a menor espécie dos oceanos, com o comprimento de 1,40 m e 90 kg. Tem geralmente a cor cinza chumbo, algumas vezes, com riscas brancas ou manchas em todo o corpo. Nas "focas-peludas", os machos apresentam a cor do pêlo mais escuro que as fêmeas. Os pés e as mãos são as nadadeiras, onde os dedos estão ligados por membranas, formando uma superfície de bom tamanho para favorecer o deslocamento na água. Tudo isso lhes permite nadar com agilidade de peixe, embora tenham a pele coberta de pêlos. O pescoço é pouco notável, parecendo a cabeça ligada diretamente ao tronco. O revestimento do corpo - uma espessa epiderme coberta de pêlos, sobre uma camada grossa de gordura - protege-os contra o frio e é um bom motivo para que habitem os mares da região polar. As focas podem viver de 25 a 35 anos.

ALIMENTAÇÃO

As focas são carnívoras e alimentam-se de peixes e cefalópodes. Geralmente, reproduzem-se em colónias. Na busca de peixes, moluscos e crustáceos alcançam freqüentemente profundidades de 60 metros. Nessas incursões contam com um sistema de proteção que lhes permite ficar imerso por cerca de 20 minutos, sem correr o risco de asfixia nem o de rompimento dos tímpanos pela forte pressão pois, assim que mergulham, o canal auditivo é protegido por um músculo que obstrui sua entrada. As pulsações do coração vão caindo de cem para dez por minuto e, assim, o oxigênio dos pulmões é consumido mais lentamente. No mergulho, diminui a irrigação sangüínea da pele, passando mais sangue pelo coração e cérebro, órgãos que necessitam de oxigenação perfeita. Suas narinas são naturalmente fechadas - importante para que não sufoquem -, só se abrindo com esforço voluntário.

REPRODUÇÃO

A corte e o acasalamento decorrem na água. O acasalamento dá-se após o desmame da cria nascida nesse ano. O período de gestação dura 10,5 a 11 meses, incluindo um período de 45 a 90 dias de implantação retardada. A altura dos nascimentos varia com a localização geográfica (estes ocorrem em Fevereiro, na Baixa Califórnia; em Março ou Abril, na Califórnia; em Junho ou Julho, na Europa, no Norte do Pacífico e na região árctica do Atlântico Norte). A fêmea pare uma única cria, em terra firme, que é amamentada durante cerca de quatro a seis semanas. Assim que nasce, a cria já está apta a nadar e mergulhar. A maior parte dos machos atinge a maturidade sexual aos seis anos de idade e as fêmeas aos três a cinco anos de idade. Na região polar, o sol da primavera já derreteu quase totalmente toda a neve, e os machos, lentamente, chegam à costa. Todos preferem ficar mais próximos da água, e brigam e se mordem, enquanto lançam gritos e mugidos. Depois de alguns dias de luta, cada um já sabe qual é o seu lugar. As fêmeas chegam com o verão, e os machos se precipitam para a água. Os primeiros que ganham o mar são os favorecidos no sentido de conquistar o maior número possível de fêmeas, que eles guiam para suas tocas. É a época do acasalamento anual. Oito a doze meses depois nascem os filhotes, de que as fêmeas tratam cuidadosamente. Costumam procriar sempre no mesmo local e para isso têm, às vezes, de atravessar a nado grandes distâncias. As "focas-peludas" só procriam nas ilhas Pribilof, no mar de Bering, defronte às costas do Alasca, e para chegar aí têm de nadar quase 5 mil quilômetros.

FILHOTES

As pequenas focas têm muito temor da água. Somente com dois meses de vida, querendo ou não, são levadas para o mar pelas mães, que as ensinam a nadar. Quando os filhotes, já robustos, se convertem em hábeis nadadores, toda a colônia regressa ao mar e efetua grandes migrações até a primavera seguinte.

ESPÉCIES DE FOCAS

1) Foca-coberta - Vive na parte norte do Oceano Atlântico próximo à província do Labrador e nordeste Newfoundland, podendo ser encontrada ao sul da Nova Inglaterra. Alimento: peixes, moluscos e crustáceos.

2) Foca-barbada - Vive no Alaska, Oceano Árticoe na áreas do Estreito de Bering. Têm sido encontradas na China, Baía de Tókio, Escócia e norte da Espanha. Alimento: peixes, moluscos e crustáceos.



3) Foca-cinza - Vive em águas temperadas e subárticas, em ambos lados do Atlântico Norte. Alimento: peixes, moluscos e crustáceos.

4) Foca-leopardo - Vive em comum nas águas polares e subpolares do Hemisfério Sul, ao longo da costa da Antártica. Alguns indivíduos podem ser encontrados na África do Sul. Austrália, Tasmânia, Nova Zelândia, Argentina (Terra do Fogo) e costa Atlântica da América do Sul. Alimento: aves, mamíferos, peixes, moluscos e crustáceos.

5) Foca -Weddell - Vive em todo o continente Antártico e nas 15 pequenas ilhas vizinhas. Alimento: peixes e moluscos.

6) Foca-elefante-do-norte - Vive na costa do Oceano Pacífico desde o Golfo do Alaska até Baixa Califórnia. Alimento: peixes e moluscos.

7) Foca-elefante-do-sul - Encontrada ao longo da costa da Antártica e nas ilhas sub-antárticas. Populações podem ocorrer na Geórgia do Sul, no sul do Oceano Atlântico, indo até a Península Valdez na Argentina. Alimento: peixes, moluscos e crustáceos.

8) Foca-Ross - Distribuição restrita aos mares da Antártica, sendo circumpolar. Alimento: peixes, moluscos e crustáceos.

9) Foca largha – foca-pintada - Encontrada ao longo do norte do Oceano Pacífico e Mar de Bering. Alimento: peixes, moluscos e crustáceos.

10) Foca-do-Cáspio - Encontrada no Mar Cáspio, entre Rússia, Azerbaijão, Iran, Turcomenistão e Kazaquistão. Alimento: peixes e crustáceos.

11) Foca comum ou de porta – Calota Glacial ártica – É exímia nadadora e tem a CRO cinza azulada das ondas do mar. Encontrada na Costa da Groelância

12) Foca Monge do Havaí -(Monachus schauinslandi) Encontrada nas águas quentes do do Havaí.



13) Foca-monge-do-mediterrâneo - (Monachus monachus) é provavelmente o membro da família das
focas mais ameaçado de extinção. Outrora espalhada pelo mediterraneo e águas adjacentes, hoje estima-se que haja somente em torno de 400 indivíduos restantes desse mamífero marinho.




4) Foca Caranguejeira - a foca caranguejeira vive sobre gelo flutuante tão escorregadio que tem de mover-se sinuosamente, à maneira das serpentes.

15) Foca de crista ou Foca de capuz - (cristata Cystophora) é um mamífero que vive em regiões frias, encontrada Noruega ao golfo do Canadá.

16) Foca Anelanda - A foca-anelada (Pusa hispida, também classificada como Phoca hispida) é um membro da família das focas que habita as águas costeiras do Ártico. Tem o hábito de abrir buracos no gelo para respirar. É neste momento que o urso polar as captura. Sua população atual está estimada em seis milhões de indivíduos. No Alaska se caçam 3.000 animais por ano. Na Groenlândia este número sobe para 60.000 animais.

17) Foca da Groelândia - A bonita pele branco-dourada de seus filhotes é muito procurada, e por isso milhares de foquinhas são massacradas todos os anos. As focas-da-Groenlândia são mais capazes de sobreviver à caça que as outras espécies. Calcula-se que existem atualmente cerca de cinco milhões de focas-da-Groenlândia.

domingo, 27 de julho de 2008

OCTOPODA - POLVO E LULA


OCTOPODA – POLVO E LULA

CLASSIFICAÇÃO CIENTÍFICA: Reino: Animalia Filo: Mollusca Classe: Cephalopoda Ordem: Octopoda


CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS:

Peso: de 3 a 40 kilos (varia de acordo com a espécie)
Tamanho: podem atingir até três metros
Habitat: água dos oceanos
Cor: vária de acordo com a espécie (castanho, amarelo, avermelhado, marrom).
Os polvos são moluscos marinhos da classe Cephalopoda e da ordem Octopoda, que significa "oito pés" - a sua característica principal é uma coroa de oito tentáculos com fortes ventosas dispostos à volta da boca.. Todos os polvos são predadores e alimentam-se de peixes, crustáceos e invertebrados, que caçam com os tentáculos e matam com o bico ósseo. Para auxiliar a caça, os polvos desenvolveram visão binocular e olhos com estrutura semelhante à do órgão de visão do ser humano, que têm percepção de cor. A reprodução é sexuada e inicia-se com um ritual de acasalamento que pode durar várias horas ou dias. Algumas horas posteriores à cópula o macho morre. A fêmea após a fecundação deposita os ovos em um ninho (em geral uma cavidade rochosa) e através de jatos d\água umidifica-os até que eclodam os pequeninos polvos cujo desenvolvimento ocorre sem estádio larvar. Recebem o cuidado parental apenas da fêmea da espécie. Ao final dos cuidados a fêmea morre. Os cefalópodes apresentam macroneurônios que só aparecem nesta classe e são mais desenvolvidos do que qualquer artrópode.
AS LULAS São os moluscos pertencentes à classe dos Cephalopoda, mais evoluídos, possuem o corpo dividido em 3 partes : cabeça, tentáculos e massa visceral. A concha pode ser externa, interna ou ausente, sendo todos marinhos. O calamar ou lula ( Loligo brasiliensis) apresenta a cabeça com dois grandes olhos, situados lateralmente, boca central rodeada por tentáculos ou braços, estes constituem 5 pares, sendo e menores mais grossos com numerosas ventosas no lado interno; os dois tentáculos restantes são bem mais longos, apresentando ventosas apenas nas extremidades dilatadas.Logo após o pescoço há uma espécie de funil muscular chamado sifão; o resto é delgado, cônico, com uma nadadeira triangular ao longo de cada lado da extremidade afilada. As lulas deslocam-se rastejando ou nadando. No primeiro caso utilizando os braços com suas ventosas, no segundo usando as nadadeiras que também servem como leme de altitude. A água utilizada para respiração penetra na cavidade paleal através de uma abertura situada entre o manto e o corpo na região do pescoço. Por contração enérgica do manto a água da cavidade paleal é expulsa em sentido oposto. O sifão pode curvar-se para trás, mudando a direção de deslocamento do animal

ANATOMIA

Atrás da cabeça do polvo, diretamente oposto aos tentáculos, está o manto. O manto é uma estrutura altamente musculosa que abriga todos os outros órgãos do animal. Suas guelras, corações, sistema digestivo e glândulas reprodutivas estão todos comprimidos dentro desse espaço. Os fortes músculos no manto protegem os órgãos e ajudam na respiração e contração. O polvo possui também um funil, às vezes chamado de sifão, uma abertura tubular que serve como passagem para a água.
No lugar da concha protetora encontrada em muitos outros moluscos, o polvo exibe uma impressionante seqüência de mecanismos de defesa. Um pesquisador que chama os polvos de "os mágicos da
camuflagem" chega ao ponto de dizer que os camaleões são monótonos em comparação aos polvos [fonte: Stewart]. Mestres do disfarce, os polvos podem alterar sua pele para assumir uma diversidade de cores e texturas que se misturam às cores do ambiente em que estão
Os polvos são animais pertencentes à classe Cephalopoda e à ordem Octopoda (oito pés), são
moluscos sem concha, marinhos e carnívoros. Possuem oito tentáculos e cada um deles tem duas fileiras de ventosas. Como o resto dos cefalópodes, o polvo tem um corpo mole mas não tem esqueleto interno (como as lulas) nem externo (como o nautilus). Como meios de defesa, o polvo possui a capacidade de largar tinta camuflagem (conseguida através dos cromatóforos) e autonomia dos seus tentáculos. Seu peso oscila entre 3 a 40 kg e podem atingir até três metros de comprimento. Da mesma maneira que as lulas, os polvos possuem um corpo mole sem esqueleto interno.Este animal tem, na cabeça, dois olhos bem desenvolvidos, um depósito com tinta (usada para despistar seus predadores), cérebro, três corações, um sistema de propulsão semelhante a um sifão, capaz de mudar de a direção e de expulsar uma grande quantidade de água, fazendo com que o polvo se desloque rapidamente.

ALIMENTAÇÃO

Para se alimentar, geralmente de crustáceos e moluscos bivalves, o polvo se utiliza de duas técnicas: atrair sua vítima movendo a ponta de um de seus braços como se fosse um verme, ou aproximar-se da vítima deslizando-se calmamente para, de súbito, agarrar sua preza com seus tentáculos e matá-la com suas fortes dentadas. Os polvos se alimentam de peixes, crustáceos e outros animais invertebrados. A caça acontece da seguinte forma: o polvo segura a presa com os tentáculos a fim de imobilizá-la, depois disso, a matam com a ajuda de um bico ósseo. Os olhos deste animal percebem as cores e, como têm visão binocular, são ferramentas importantes para o processo de caça. O polvo é apreciado por um imenso número de espécies de peixe, entre as quais a Moréia. Quando atacado ou quando se sente em perigo, o polvo aspira uma grande quantidade de água e expele-a logo em seguida por um sifão, que funciona como uma turbina, e que permite que o polvo fuja em grande velocidade. Esta fuga é geralmente oculta por uma nuvem de tinta. A substância expelida pelo polvo para defender-se é de coloração escura e sabe se que a tinta de algumas espécies podem ter um efeito paralisante sobre os órgãos sensoriais do seu predador.

REPRODUÇÃO

A reprodução destes animais é
sexuada e o ritual de acasalamento pode durar algumas horas ou alguns dias. A fêmea, quando está pronta para acasalar, libera na água um feromônio sexual que atrai o macho e a previne de ser devorada pelo macho, visto que o canibalismo está presente no comportamento de várias espécies de polvos. O terceiro tentáculo direito do polvo é, na verdade, seu órgão sexual, que é introduzido na cloaca da fêmea para fecundar os ovos. Depois da fecundação, a fêmea é capaz de pôr perto de 150.000 ovos que normalmente são depositados no interior de uma caverna. Até eclodirem (cerca de um mês depois) é a fêmea que toma conta dos ovos, período no qual não se alimenta. Depois da eclosão dos ovos a fêmea morre de fome.Este é um animal que passa a maior parte do tempo escondido de seus predadores no meio de grutas. Possui capacidade de mimetização, fato que torna difícil sua localização, há situações em que, para camuflar-se, chega a enrugar a pele para ficar parecido com as rochas nas quais se esconde.O polvo é tido como o animal invertebrado mais inteligente da terra, possui um sistema nervoso muito desenvolvido (dois terços deste sistema está localizado na cabeça, o restante está nos tentáculos). É um animal capaz de aprender novos comportamentos observando, de resolver problemas e de memorizar novos trajetos, por exemplo. São animais que vivem sozinhos e só procuram companhia na época de reprodução.

HABITAT


Os polvos passam grande parte de sua vida escondidos sendo que muitas espécies, entre as quais o polvo comum, que pode atingir um tamanho de até 1 m, escolhem uma toca natural entre as rochas ou escombros. Uma espécie de tamanho pequeno, o Polvo Pigmeu do Atlântico, que não atinge mais do que 2 cm de comprimento, prefere se esconder no interior de uma concha vazia com as duas valvas ainda unidas pelo ligamento. O polvo se instala sobre uma das valvas da concha e fecha a outra arrastando-a com seus tentáculos. As lulas e os polvos são mais conhecidos, seja pela maior constância nos encontros durante os mergulhos, seja por sua utilização como alimento pelo homem. Eles conseguem variar de forma impressionante seu padrão de coloração graças ao cromatófaro. Essa variação pode ser provocada pela necessidade de se camuflar no ambiente, manifestar suas mudanças de "humor" ou até como comportamento de corte na época da reprodução.Esses animais não possuem concha externa para proteção, mas para proteção a lula tem uma delicada concha interna com o aspecto de uma pena e capacidade de mudar a coloração do corpo. A lula tem ainda uma glândula que produz tinta escura, para ser lançada na água quando se sente intimidada. Funciona como um tipo de "cortina de fumaça", permitindo a fuga do animal.Esses animais apresentam dois olhos bem desenvolvidos (foto 3) e formam imagens reais. Portanto, quando encontramos alguns exemplares durante os mergulhos e "trocamos olhares", podemos ter a certeza de que estamos sendo vistos como realmente somos...Enquanto as lulas nadam ativamente, normalmente em grupos, através da coluna d'água, os polvos vivem isolados e costumam ocupar tocas entre rochas, corais ou até escavando areia (foto 4). Para identificar a toca de um polvo, costumamos observar na sua entrada conchas de bivalves e restos das carapaças de crustáceos, que serviram de alimento. Os polvos ainda são dotados de uma "inteligência" sem igual entre os invertebrados. É conhecido que os polvos atacam armadilhas para lagostas, comendo o crustáceo que estava aprisionado e escapando tranqüilamente em seguida. Em um documentário de Jacques Cousteau, foi filmado no laboratório do navio Calypso um polvo deixando seu aquário durante a noite (seu horário de maior atividade), invadindo o aquário vizinho ocupado por uma lagosta, devorando-a e retornando a seu próprio aquário. Ainda em laboratório, cientistas testaram a capacidade dos polvos desvendarem a passagem em labirintos. O animal era colocado na entrada e alimento na saída. A partir do momento em que o polvo descobria o caminho até o alimento, "memorizava" e não se enganava mais nas outras tentativas. Inúmeros outros experimentos foram feitos e, na maioria deles, os polvos foram bem sucedidos, inclusive em testes normalmente aplicados em mamíferos, como aqueles em que o animal seleciona um botão com cor ou forma específicos entre vários botões para receber o prêmio (geralmente alimento).Assim, em seus próximos mergulhos, procure estar atento a esses incríveis animais e dividir ótimos momentos com eles. Boas águas para você

INFORMAÇÕES IMPORTANTES:
· Os polvos são moluscos marinhos que possuem 8 tentáculos, sendo que cada um possui duas fileiras de ventosas
· Ficam boa parte do tempo entre rochas, escondidos dos predadores
· Outro recurso para escapar dos predadores é o jato de tinta que soltam, deixando o inimigo temporariamente sem visão
· O órgão reprodutor do macho é um dos tentáculos
· Vivem de forma solitária, procurando o parceiro somente na época da reprodução
· Alimentam-se de peixes, crustáceos e outros animais invertebrados do mar
· A fêmea deposita seus ovos nas fendas que se formam entre as rochas
· A reprodução dos polvos é sexuada.
· Possuem um corpo mole, coberto por uma pele sensível à luz
· Possuem uma visão bem desenvolvida, sendo que os olhos conseguem distinguir as cores.

ESTRELA DO MAR



ESTRELA DO MAR

Representantes da classe Stelleroidea(do latim stella, estrela + do grego eidos, forma) inclui os equinodermas que apresentam corpo com braços a qual pertencem as estrelas do mar. Neste grupo, os braços pertencem a uma região central, a grande maioria apresenta 5 braços, mas em algumas espécies podemos encontrar vários braços. A superfície corporal pode apresentar-se lisa ou granulada, ou ainda com espinhos bem visíveis. A maioria das estrelas-do-mar mede de 12 a 14 cm de diâmetro e muitas apresentam cores intensas como vermelho, azul ou laranja. A boca localiza-se no centro da superfície oral, que está direcionada para baixo, os Sulcos ambulacrais radiais, que vão da boca à extremidade dos braços, contém o canal alimentar, responsável pela nutrição da estrela-do-mar. Há quase 2 mil espécies de estrelas-do-mar, a maioria com cinco braços idênticos. A cor do corpo varia, mas sempre é brilhante e, às vezes, luminescente. Não possui cabeça bem cauda; seu corpo consiste de duas partes: o disco central com a boca e o ânus; e os braços, que têm carreiras de pequenos pés tubulares capazes de movimenta-la. Este animal carnívoro tem um modo especial de devorar os moluscos que carregam concha. Envolve a vítima com seu corpo e abre a concha com os braços. Então introduz o estômago na concha entreaberta e come a presa. Quando a refeição acaba, o estômago da estrela-do-mar se retrai e a concha vazia, completamente limpa, é abandonada. Com a estrela-do-mar ocorre um fato estranho. Algumas espécies são capazes de regenerar-se. Se um dos braços é separado do corpo ele é substituídos, enquanto um novo organismo completo crescerá do braço isolado. Esse processo de regeneração constitui um problema para os criadores de ostras. As estrelas-do-mar comem ostras e os criadores costumavam pegar as estrelas-do-mar, parti-las ao meio e atira-las de novo à água. O resultado disso não era a eliminação das estrelas-do-mar, mas um aumento do seu número.

CARACTERISTICAS

1. Revestimento e proteção
A epiderme simples recobre o esqueleto e os espinhos (quando presentes). Os espinhos, que servem como proteção (principalmente no ouriço-do-mar), são bem alongados e às vezes providos de glândulas venenosas. Algumas espécies possuem ainda pequenas pinças (pedicelárias) que servem para defesa e para manter sempre limpa a superfície do corpo.

2. Sustentação e locomoção
Possuem endoesqueleto de placas calcáreas móveis (articuladas) ou fixas, freqüentemente com espinhos. As placas podem ser macroscópicas, distribuídas pelo corpo, como nos pepinos-do-mar, ou constituir uma carapaça muito resistente, como nos ouriços-do-mar. Nestes animais, a locomoção é lenta e é feita pelos pés ambulacrários e ainda por espinhos movidos por músculos.

3. Nutrição e digestão

O sistema digestivo é completo, exceto nos ofiúros. As estrelas-do-mar são carnívoras e predadoras, seu alimento preferido são as ostras. Apesar da potente musculatura das ostras, as estrelas-do-mar conseguem abrir-lhe as valvas, introduzir seu estômago e lançar enzimas, ocorrendo um digestão externa. Os ouriços-do-mar alimentam-se de algas, que são trituradas pelos cinco dentes calcários, que formam a lanterna de Aristóteles.

4. Circulação
Não possuem coração nem mesmo sistema circulatório típico. Existe, porém, um reduzido sistema de canais (canais pseudohemais), com disposição radial, onde circula um líquido incolor contendo amebócitos.

5. Respiração
A respiração por difusão ocorre no sistema ambulacrário. Além disso, na estrela-do-mar e ouriço-do-mar existem diminutas e ramificadas brânquias dérmicas. Na cloaca do pepino-do-mar existem túbulos ramificados, as árvores respiratórias ou hidropulmões, que acumulam água para as trocas gasosas.

6. Excreção
Não existe nenhum órgão especializado. Os catobólitos são levados por amebócitos aos pés ambulacrários, hidropulmões ou a qualquer estruturas exposta à água, que os elimina por difusão.

7. Sistema nervoso
Não há gânglios, mas sim um anel nervoso próximo à região oral, de onde saem nervos radiais.

8. Sentidos
Possuem células táteis na superfície do corpo. Na extremidade dos braços das estrelas-do-mar existem células fotorreceptoras.

9. Reprodução
São animais de sexos separados e de fecundação externa. Os órgãos sexuais são simples, existindo, geralmente, apenas gônadas sem ductos genitais. O desenvolvimento é indireto, aparecendo em cada classe um tipo característico de larva: bipinária (nas estrelas-do-mar), pluteus (ofiúros e ouriço), dolidária (crinóides) e auriculária (pepino-do-mar). A simetria é bilateral nas larvas, passando a radial nos animais adultos. A reprodução assexuada aparece em algumas larvas que se autodividem; além disso, as estrelas-do-mar e o pepino-do-mar têm a capacidade de regenerar partes perdidas.


Em abril, a expedição capturou as primeiras imagens de uma gigantesca colônia de estrelas-do-mar formada por dezenas de milhões de exemplares no pico de uma das montanhas da cordilheira submarina, uma descoberta inesperada e que os pesquisadores chamaram de "Cidade das Estrelas".

Postagens populares

VÍDEOS SOBRE O MAR

Loading...

National Geographic POD

Loading...

Google+ Followers

Google+ Badge