domingo, 18 de março de 2018

DRAGÃO AZUL OU GLAUCUS ATLANTICUS





Glaucus atlanticus é uma espécie  de lesmas-do-mar-pelágicas pertencente ao grupo dos moluscos nudibrânquios  da famlia Glaucidae , sendo a única espécie 
 conhecida do gênero Glaucus.  A espécie está estreitamente aparentada com Glaucilia marginata,  outro membro da família Glaucidae.


Classificação Ciwntifica

Reino : Animalia
Subreino: Eumatozoa
Superfilo: Lophotrochozoa
Filo: Mollusca
Classe: Gastropoda
Subclasse: orthogastropoda
Superordem: Heterobranchia
Ordem: Opisthobranchia
Subordem: Nudibranchia
Superfamilia: Aeolidioidea
Familia : Glaucidae
Genero: Glaucus
Espécie: G. Atlanticus
NOME BINOMINAL = Glaucus Atlanticus

Descrição

Estes nudibrânquios medem normalmente 3 a 4 cm  de comprimento, mas alguns espécimes  podem atingir os 7 cm. Apresenta uma coloração azul-prateada na face dorsal e azul   pálido na face ventral. O pé é raiado por faixas longitudinais azul  escuras ou negras.
O corpo é tronco-cónico, aplainado, com seis apêndices que se ramificam em raios afilados. A radúla  tem dentes que se assemelham a minúsculas espadas.

Distribuição e ecologia

Este nudibrânquio é pelágico, com distribuição cosmopolita ocorrendo nas águas temperadas e tropicais de todos os oceanos. Entre as regiões onde esta lesma-do-mar ocorre incluem-se as costas leste e sul da África do Sul, as águas europeias, a costa leste da Austrália, as costas de Moçambique e dos Açores. A espécie flutua de boca para baixo, mantida nessa posição pela tensão superficial das águas do oceano.
G.atlanticus depreda organismos pelágicos de maiores dimensões, entre os quais cnidários como a caravela (Physalia physalis), Velella velella e Porpita porpita e moluscos pelágicos como Janthina janthina. Conhecem-se casos em que exibe comportamento canibal, predando exemplares da própria espécie.
Alimentação
estes animais se alimentam de presas bem maiores, como a venenosa caravela-portuguesa, parente da água-viva. Por ser imune ao veneno, o dragão azul consegue recolher a substância tóxica, transformando-a em uma arma ainda mais potente, diferente de nós, humanos, que, em contato com a caravela, podemos ter queimaduras de até terceiro grau. G. atlanticus é capaz de se alimentar de P. physalis porque exibe imunidade ao veneno dos nematocistos daquela espécie, consumindo a caravela inteira seleccionando e armazenado as toxinas e os nematocistos para seu próprio uso. O veneno é recolhido em sacos especializados localizados nas pontas dos seus apêndices (os "dedos" das suas extremidades). Dado que Glaucus armazena o veneno, pode produzir um efeito ainda mais potente e mortal do que o resultante directamente da toxina da caravela.
Com a ajuda de um saco cheio de gás no seu estômago, G. atlanticus flutua perto da superfície. A combinação dos efeitos resultantes da posição do saco e da tensão superficial da água fazem com que se mantenha em posição invertida: a superfície dorsal é na realidade o pé. A sua coloração azulada serve de camuflagem.

Reprodução




Glaucus atlanticus, como a maioria das lesmas-do-mar, é uma espécie hermafrodita apresentando tanto órgãos sexuais masculinos como femininos. Ao contrário dos demais nudibrânquios, o acasalamento não ocorre pela parte direita, mas pela ventral. Após a cópula produz cadeias de ovos.
Embora esse animal possua uma beleza intensa, ele é capaz de injetar nematócitos através da pele humana, mas ele é muito desajeitado e lento, por isso são muito perigosos.

Postagens populares

VÍDEOS SOBRE O MAR

Loading...

National Geographic POD

Loading...

Google+ Followers

Google+ Badge