quinta-feira, 24 de julho de 2008

TUBARÃO












O QUE SÃO TUBARÕES

A fama e má reputação dos tubarões tornaram estes seres marinhos os mais respeitados e temidos em todo o mundo. No entanto, sua real periculosidade, em especial no litoral brasileiro, não é tão grande e certa como muitos acreditam.

ANATOMIA

Existem mais de 400 espécies diferentes de tubarão e elas variam consideravelmente em tamanho e aparência. De fato, 50% das espécies de tubarão têm menos de um metro de comprimento. Então, o que caracteriza o tubarão?
Os tubarões, como as arraias e as quimeras, são diferenciados de outros peixes principalmente pela composição de seus corpos. A maioria dos outros peixes possuem esqueletos feitos de ossos, como os mamíferos, répteis, anfíbios e pássaros. Os tubarões e as arraias, por outro lado, possuem esqueletos feitos inteiramente de cartilagem, o mesmo material flexível de nossas orelhas e narizes. A cartilagem é resistente como o osso, mas sua densidade é muito menor. Esse material mantém os tubarões relativamente leves para que não afundem no oceano e não precisem de uma bexiga natatória como outros peixes. A textura da pele dos tubarões também é bastante única. Eles não têm as escamas grandes e proeminentes encontradas nos peixes que possuem ossos. Em vez disso, eles são cobertos por escamas menores, como dentes, chamadas dentículos. Esses dentículos fortes e protetores são alinhados para canalizarem água pelo corpo do tubarão, minimizando o escoamento devido à fricção.
Como os peixes que possuem ossos, os tubarões respiram extraindo oxigênio dissolvido da água. A água entra na boca, passa pelas brânquias e é expelida através das fendas das brânquias atrás da cabeça. Em peixes que possuem ossos, essas fendas são cobertas, mas na maioria dos tubarões é possível vê-las claramente. Ao fluir através da abertura da brânquia, a água passa por pequenos filamentos branquiais. Estes filamentos são cobertos por capilares microscópicos que possuem uma quantidade menor de oxigênio do que a água ao seu redor. Essa diferença faz com que o oxigênio da água se difunda pela corrente sangüínea do tubarão, onde é distribuído por todo o corpo.
Alguns tubarões possuem uma bomba branquial, um conjunto de músculos que suga a água e a empurra para fora das brânquias. Este mecanismo funciona mais ou menos como nossos pulmões: o tubarão pode reter oxigênio continuamente enquanto está na posição estática. A maioria dos tubarões também extrai oxigênio usando a ventilação forçada, que passa a água através das brânquias por meio do movimento à frente. Alguns tubarões ativos dependem quase completamente da ventilação forçada, o que significa que eles permanecem em movimento a maior parte do tempo. Também na hora de se mover os tubarões diferem da maioria dos peixes com ossos. Na próxima seção, veremos como os tubarões nadam com tanta rapidez e graciosidade.

DENTES

A pele do tubarão é muito resistente e separada por diminutas escamas. Perto da boca, essas escamas se transformam em dentes de verdade. A dentadura é formada por seis ou sete fileiras paralelas de dentes (protegidas por dobras de mucosa), que perdem com freqüência ao cravá-los em suas presas, sendo logo substituídos por outros. Apesar da dentição perfeita, o tubarão engole a presa inteira, sem mastigar. Depois, o estômago se encarrega de rejeitar o que não é capaz de digerir. Os dentes servem só para segurar a vítima.

UM POUCO DE HISTÓRIA

Calcula-se que os tubarões existam há cerca de 150 milhões de anos, sem grandes alterações a nível da sua morfologia, o que sugere um bom nível de adaptação e evolução. Ocuparam diversos nichos ecológicos, desde os mares tropicais aos oceanos Ártico e Antártico.
Estes seres providos de estrutura corporal hidrodinâmica são criaturas importantes em quase todos os ecossistemas marinhos. A quase totalidade dos tubarões é marinha, carnívora e pelágica, habitando águas costeiras e oceânicas da maioria dos mares e oceanos, quer na sua superfície, quer na sua profundidade.
São conhecidas cerca de 400 espécies em todo o planeta, cujos tamanhos podem variar entre os 0,10m e os 18m de comprimento.
No Brasil, existem 88 espécies de tubarão conhecidas.
Todos os tubarões são carnívoros. A maioria deles come peixes vivos, inclusive outros tubarões. O único inimigo natural do tubarão é um tubarão de maior tamanho. Os tubarões devoram as presas por inteiro, ou então, arrancam grandes pedaços de sua carne. Se alimentam tembém de animais mortos ou moribundos. Os tubarões têm fama de devorarem seres humanos, mas é inferior a 10 o número de pessoas atacadas por tubarões por ano em todo o mundo. Sabe-se que cerca de 25 espécies de tubarões atacam os seres humanos.A sua boca, em posição ventral, possui uma grande abertura, graças à inexistência de contacto rígido com o crâneo. Os dentes, triangulares, afiados e extremamente eficientes para agarrar e cortar, não possuem raiz. São providos de várias fileiras de dentes de reposição, dispostas posteriormente à fileira que está em uso. Quando um dente é perdido, posterior move-se para ocupar o seu lugar. Algumas espécies não possuem os afiados dentes triangulares, essenciais aos predadores, dado terem-se adaptado a outras formas de alimentação.


ONDE HABITAM

A grande diversidade de tubarões é refletida na sua distribuição por todo o mundo. Os tubarões se adaptaram para ocupar todos os tipos de ecossistemas de água salgada, em todos os continentes.
Eles podem ser encontrados em grandes oceanos, lagoas de corais, pântanos de mangues, estuários de rios e águas marítimas pouco profundas. Algumas espécies de tubarões também freqüentam regularmente águas doces – o tubarão cabeça-chata, por exemplo, é capaz de nadar até mais de 3.000 quilômetros dentro do rio Amazonas.
Muitas pessoas assumem que os tubarões se limitam às águas quentes.
É verdade que muitas espécies conhecidas, como o tubarão-tigre, se adaptam melhor em águas tropicais quentes, embora tenham sido encontrados tubarões tigres nas águas geladas do Atlântico Norte, ao largo da costa da Islândia. Mas outras espécies preferem águas mais frias, incluindo o temível grande tubarão-branco. Até os mais frios mares servem de hábitat a uma grande variedade de espécies de tubarões. Aonde quer que você viva, o mais certo é que existam algumas espécies de tubarões muito próximas da linha costeira de seu país

ORGÃOS DOS SENTIDOS

Localizar comida é uma capacidade importante de qualquer animal, e os tubarões são refinados nesta arte. Como a maioria dos peixes, eles usam células sensoriais, dispostas em linhas laterais nos seus flancos, para detectarem ondas de pressão provocadas por outras criaturas que passem por perto. Mas é a sua lendária capacidade de detectar a presença de partículas de comida o que os torna notáveis. A maioria dos tubarões consegue discernir as mais ínfimas quantidades de substâncias presentes na água a mais de 500 metros de distância da sua origem.
VISÃO- A visão é outro processo importante para localizar presas. O olho de um tubarão é normalmente dez vezes mais sensível à luz do que o olho humano, e as espécies que capturam criaturas que se movimentam depressa, como peixes e focas, demonstraram ter uma visão particularmente boa. Eles também conseguem distinguir cores, e algumas espécies demonstraram ser atraídas por objetos metálicos brilhantes.
OLFATO- O seu olfato é extremamente apurado, nos seus orifícios nasais (normalmente localizados nos lados do focinho) captam até os mais diluídos resquícios de comida na corrente de água. Estes órgãos são tão sensíveis que conseguem até determinar se é o orifício nasal esquerdo ou direito que capta a mais concentrada dose da substância, orientando o tubarão em sua direção com uma precisão impressionante.
AUDIÇÃO- A sua grande sensibilidade às vibrações, provoca comportamentos semelhantes. O seu ouvido interno, responsável pelo equilíbrio e detecção das vibrações de baixa frequência, situa-se postero-superiormente ao olho. Possui três canais semicirculares e detecta vibrações a longas distâncias, podendo o tubarão se aperceber do som de um peixe a debater-se a uma distância de 250 a 600 m. Em conjunto com o olfacto, esta sensibilidade às vibrações, são os primeiros mecanismos utilizados na detecção de potencial alimentação. Uma vibração desconhecida, tanto pode provocar curiosidade como Linha lateral dos tubarões Como se estes sentidos não fossem suficientes, os tubarões também são extremamente sensíveis aos campos magnéticos. Pesquisadores demonstraram que muitas espécies usam o próprio campo magnético da Terra para navegar. Alguns até conseguem detectar pequenos campos magnéticos emitidos por outros peixes nas proximidades, auxiliando-os na busca de comida.
AMPOLAS DE LORENZI- A cabeça, especialmente ao redor do focinho, apresenta pequenos poros, denominados ampolas de Lorenzini. Estes receptores são sensíveis à temperatura, salinidade e pressão da água, com uma especial capacidade para detectar campos eléctricos muito subtis, gerados por outros animais. Podem, deste modo, detectar o batimento cardíaco de um peixe que esteja enterrado na areia, a alguns metros de distância. A capacidade de se aperceberem destas ligeiras mudanças na corrente eléctrica do ambiente, além de facilitar a caça às suas presas, possibilita-lhes a navegação em mar aberto durante as grandes migrações, guiando-se através do campo electromagnético da Terra.

COMO SE REPRODUZEM

A reprodução dos tubarões ocorre para o fecundação interno, em que o macho introduz o clasper no oviducto da fêmea. As fêmeas alcançam, no general, sua maturidade sexual com o mais grande assim grande de o que os machos e procreate normalmente em anos alternos.
Nos ovíparas da espécie, isso que correspondem aproximadamente 20% do total, fêmea carrega com a posição de rectangulares dos ovos, protegida para uma membrana do filamentosa, a fim repará-los ele o substratum marinho. Nos ovovíparas da espécie - aproximadamente 70% -, o desenvolvimento dos ovos ocorre no oviducto da fêmea, sendo cría-os banishes tornado já.
Nos animais viviparous da espécie - aproximadamente 10% -, o desenvolvimento do embrião é tornado fullfilled internamente, com linkings dos placentárias, sendo também cría-os banishes tornado já. O fato de você cría-os, nestas duas últimas espécies, já para ser carregado bem desenvolveu e, por épocas, com um comprimento que possa alcançar 1 medidor, originado que, durante todo sua história do evolutiva, os tubarões estavam sendo graduais menos pregiven para outros animais, se transformando o alto da corrente alimentary dos mares. O selecção natural dos tubarões é iniciado, em ovovíparas de alguma espécie e em animais viviparous, em apropriado meio intrauterine, com prático do canibalismo. Você cría-os que estão dados forma primeiramente - a um número os quinze incorporam quatro - e desde que com dentes afiados, ingest, em sua vida uterine, os embriões na formação e, mais tarde, somente o devoram uns ao outro, sobreviver o mais forte e o apartamento.

PELE E ESCAMA

A pele dos tubarões é protegida por escamas placóides, as quais lhes conferem uma superfície muito áspera.
Possui ainda quimio-receptores, os quais possibilitam aos tubarões determinar se há substâncias nocivas na água, medir a salinidade e outros parâmetros químicos.
Órgãos dos sentidos
Como a maioria das bestas selvagens, os tubarões agem quase isso exclusivamente para o instinto, não sendo, entretanto, suas reações muito previsible. Possuem um primitivo, mas o sistema nervoso eficiente. Os tubarões apresentam sete agências sensíveis. As well as muitos outros peixes, é myopic, sendo sua visão apropriada somente para distâncias entre 2 e 3 medidores, mesmo assim que pode ser usada para distâncias até 15m com pouco grau de definição. Seus possesss do olho um a camada do reflectiva, que permite uma exploração superior do luminosity nos lugares com pouca luz, como águas enlameadas ou profundas e na noite. Seu olfacto é refinado extremamente, reservando para identificar substâncias que se diluíram suficientemente na água, como concentrações do sangue abaixo de 1 porção para milhão - o que é equivalente ao aperceberem de uma gota 300m do sangue do oceano da distância completamente.
Deste fato, advém que o fato já de ter sido apontado como a natação cheira. Quando detectam o cheiro de I ele do sangue ou dos corpos no decomposition, fàcilmente encontram o lugar da origem, usando principalmente seu olfacto (ou a visão para distâncias inferior 15m). Sua sensibilidade grande às vibrações, provoca comportamentos similares.
Sua orelha interna, responsável para o contrapeso e detention das vibrações do ponto baixo - a freqüência, é postero-superiormente colocado ao olho. Possesss três canais semicirculares e detectam vibrações as distâncias longas, podendo o Tubarão se ao aperceber do som de um peixe para esforçar-se ele a uma distância de 250 600m. No jogo com olfacto, esta sensibilidade às vibrações, é os primeiros mecanismos usados no detention da alimentação potencial. Uma vibração desconhecida, tanto quanto pode provocar a curiosidade quanto o medo ao Tubarão. Suas linhas laterais são também capazes travar vibrações da média e diminuem a freqüência, as correntes, as mudanças na temperatura e a pressão da água, as well as encontrar obstáculos e alimentos em águas enlameadas.
Em uma maneira similar, pode também detectar, para o turbulence causado, a aproximação de um inimigo do transporte grande. A cabeça, especialmente ao redor do snout, apresenta os pores pequenos, chamados âmpolas de Lorenzini. Estes receptores são sensible à temperatura, ao salinity e à pressão da água, com uma capacidade especial detectar muito os campos elétricos dos subtis, gerados para outros animais. Podem, nesta maneira, detectar a batida cardiac de um peixe que seja encaixado na areia, a alguns medidores da distância. A capacidade de se o aperceberem destas mudanças rápidas na corrente elétrica do ambiente, além de facilitar a caça a seu dente canine, o fizer possível através do campo a elas navegação no mar aberto durante as migrações grandes, guiando-se eletromagnéticos da terra.

RESPIRAÇÃO E NATAÇÃO

A maioria dos tubarões, quando parados, não conseguem bombear a água para as brânquias, de modo a respirarem. Necessitam, portanto, de forçar a entrada da água pela boca, para que passe pelas brânquias e saia pelas fendas branquiais. Por outro lado, a ausência de bexiga natatória, um órgão hiodrostático existente noutros animais, dificulta a sua flutuação. Estas duas características são as responsáveis pela maioria dos tubarões nadar incessantemente, pois, se por algum motivo pararem, afundam e/ou morrem por asfixia. No entanto, algumas espécies conseguem permanecer paradas e deitadas no fundo do mar, inclusivamente dentro de grutas espaçosas.

ALIMENTAÇÃO

Os tubarões são animais ectodérmicos, pelo que a temperatura do seu sangue é variável e dependente do ambiente externo. Muitos tubarões, apresentam um menor metabolismo, sendo mais lentos e com menores necessidades energéticas. Para manter a sua temperatura constante e um bom grau de actividade, dependem de águas tropicais quentes e das regiões costeiras.
O deslocamento natatorial constante origina um enorme gasto de energia e uma consequente necessidade em se alimentar constantemente. Devido a essa voracidade natural, algumas espécies limpam os oceanos ao comerem os animais feridos ou mortos, mesmo que em elevado estágio de decomposição. A quase totalidade das espécies também rouba as presas de outros tubarões, quando surge a oportunidade. Quanto às suas preferências alimentares, seguem uma dieta regular de peixes, crustáceos, lulas, polvos, tartarugas, raias e outros tubarões, sendo o canibalismo uma prática muito comum.
A prática da caça é guiada e determinada basicamente pela combinação dos seus sentidos. No entanto, os padrões de comportamento na procura de alimento variam de forma substancial. Num padrão normal, os seus movimentos costumam ser lentos e determinados; outras vezes, são compulsivos e rápidos. Na realidade, estes padrões quanto à natação, aproximação e ataque final, variam de espécie para espécie e conforme as situações particulares.
A sua boca, em posição ventral, possui uma grande abertura, graças à inexistência de contacto rígido com o crâneo. Os dentes, triangulares, afiados e extremamente eficientes para agarrar e cortar, não possuem raiz. São providos de várias fileiras de dentes de reposição, dispostas posteriormente à fileira que está em uso. Quando um dente é perdido, posterior move-se para ocupar o seu lugar. Algumas espécies não possuem os afiados dentes triangulares, essenciais aos predadores, dado terem-se adaptado a outras formas de alimentação.

TUBARÃO NO ECOSSISTEMA

Os tubarões exercem duas funções primordiais no ambiente marinho. Como predadores situados no topo da cadeia alimentar, mantêm o controlo populacional das suas presas habituais e são um instrumento da selecção natural, ao predar os mais lentos e os mais fracos.
Ao contrário da cadeia alimentar terrestre, na qual os herbívoros podem apresentar um porte maior que os carnívoros, a hierarquia nos oceanos é basicamente determinada pelo tamanho. Os estratos da cadeia alimentar são denominados de níveis tróficos. Quanto mais distante da base, a qual é formada pelos produtores primários, maior o nível trófico.
No final dos anos 80 do século XX, a pesca excessiva de algumas espécies de tubarão na Austrália, originou um aumento da população dos polvos, o que por sua vez, com os polvos a predarem as lagostas em quantidades acima do habitual, originou uma série crise na industria da pesca da lagosta.
Por outro lado, quando os tubarões se alimentam de animais e peixes doentes, feridos ou mortos, contribuem para a manutenção da salubridade dos oceanos. Embora possuam um sistema imunológico primitivo, apresentam uma baixa incidência de doenças em geral, raramente contraem infecção após ferimentos graves e raramente desenvolvem neoplasias.
Contribuições dos tubarões para a saúde humana
Além da contribuição energética através dos pratos de culinária que utilizam o tubarão, existe uma conhecida contribuição farmacêutica.
A vitamina A foi obtida principalmente pelo óleo de fígado de tubarão até 1947, altura em que passou a ser sintetizada em laboratório. Em 1916, um cientista japonês isolou deste óleo um hidrocarboneto denominado esqualena, até hoje empregue nas indústrias comésticas e farmacêuticas, como base para cremes de beleza, pomadas e medicamentos. O óleo é também eficaz no tratamento paliativo das hemorróidas. Alguns estudos indicam que este óleo contribui para a produção de leucócitos nos seres humanos. Alguns ácidos polinsaturados extraídos do fígado têm sido utilizado como anticoagulantes no tratamento de enfartes do miocárdio.
Por outro lado, o extracto da sua cartilagem tem vindo a ser utilizado em doenças osteo-articulares e no tratamento de queimados.
Experimentalmente, têm sido feito transplantes de córnea para olhos humanos, estudos relativos à proteína esqualamina - encontrada no estômago, fígado e vesícula biliar - quanto à sua capacidade de inibir tumores cerebrais, bem como a um lípido quase omipresente nas suas células e com um poder antibiótico de largo espectro.

OS ATAQUES DE TUBARÃO

Os tubarões têm fama de carnívoros agressivos, matadores de gente, que chegam até a atacar membros de sua própria espécie, mas dois dos maiores (o tubarão-peregrino e o tubarão-baleia), são animais dóceis e se alimentam de plâncton.
Na realidade, alguns tubarões como o Tubarão Focinhudo (ou Azul) e o Tubarão Branco, são mesmo muito violentos e comedores de gente. Mas já existe uma substância química que jogada ao mar, mantêm esses peixes afastados, o que diminui o número de acidentes com nadadores, surfistas e outros.

Das 400 espécies que habitam os oceanos, 33 já atacaram comprovadamente o homem. Destas 33, 18 encontram-se em registos de ataques não provocados, embora este número desça para 3 espécies se considerar apenas o último século (registos entre 1907 e 2002).
A maioria das espécies só ataca um ser humano quando acredita que o seu território está a ser invadido, tal como faria com outro tubarão. Das 1848 ocorrências documentadas de ataques não provocados ao homem, 75% não estava relacionada com a alimentação, mas sim com este factor.
As três espécies potencialmente perigosas para o homem são o Carcharodon carcharias (tubarão-branco) - tornado famoso em 1975 pelo filme Tubarão de Steven Spielberg -, Carcharhinus leucas (tubarão-touro) e Galeocerdo cuvier (tubarão-tigre).
A biologia e os hábitos destas três espécies têm sido extensivamente estudados. Entre si, apresentam dietas, estratégias de caça e padrões de comportamento distintos.
A interacção entre o homem e o tubarão, só acontece quando este está a nadar ou surfar nas águas costeiras. Uma grande percentagem dos ataques não provocados deve-se a um erro de identificação, que pode ocorrer em animais mais jovens, condições de baixa visibilidade - como águas escuras ou turvas, períodos da alvorada e crepúsculo -, ou em ambientes de água agitada.
O tubarão-branco não se comporta como foi mostrado no referido filme de terror, sendo, salvo raras excepções, o seu ataque ao ser humano devido a um erro de identificação. Os surfistas e mergulhadores, quando vestidos com roupas de neoprene, podem ser confundidos com focas, uma das presas habituais desta espécie.
Já o tubarão-touro, além do ataque por erro de identificação, podem considerar as suas vítimas como invasoras, dado ser muito territorialista. Mesmo que o ser humano não se aperceba, o tubarão pode se sentir acuado ou que a sua área territorial está a ser invadida pela presença humana.
Os ataques do tubarão-tigre estão normalmente relacionados com a sua caça às tartarugas marinhas, que se dirigem para a costa, de modo a se alimentarem e desovarem. O ataque oa homem pode ocorrer quando o tubarão, com a visão contra ao sol, confunde os surfistas e banhistas com as tartarugas.
O ataque não provocado mais comum, denominado hit and run, ocorre mais frequentemente nas zonas de arrebentação com banhistas e surfistas. As provocativas e falsas vibrações (natação, surf, etc), e/ou enganosas atracções visuais (objectos e aparências humanas, como adereços brilhantes, roupas de banho coloridas ou o contraste de bronzeamento entre a perna e a planta do pé), podem originar que o tubarão confunda o homem ou parte dos seus membros com as suas presas. A vítima raramente consegue ver o seu agressor e o tubarão não costuma retornar após a primeira mordidela, muitas vezes inquisitória - o tubarão utiliza os seus dentes para identificar a textura, sabor e consistência do que está a morder, sem empregar a potência total da mordidela. Suspeita-se que o tubarão, durante a mordidela, identifica que o ser humano é um objecto estranho ou muito grande e, tão rápido quanto mordeu, solta a sua vítima e não volta. As lesões provocadas por este tipo de ataque ocorrem, com maior frequência, nos membros. Costumam limitar-se a áreas restritas, raramente provocando fatalidades quando a vítima é rapidamente resgatada da água e os primeiros socorros executados adequadamente para evitar uma grande hemorragia. Cerca de 90% das mortes ocorrem por afogamento secundário, provocado pelo choque que advém da falta de controlo da hemorragia.
Apesar da maioria dos ataques de tubarão se dar sem nenhuma provocação - cerca de 86% -, outros se dão quando são provocados. Entre as provocações mais frequentes, encontram-se o arpoar, tocar, segurar a cauda, oferecer comida, bloquear a sua passagem ou qualquer outra acção que importune o tubarão.

ALGUMAS ESPÉCIES DE TUBARÃO

Como são muitas espécies, valos falar abaixo das espécies mais conhecidas:

TUBARÃO BRANCO - O tubarão-branco é o peixe mais perigoso do mar.Vive em águas muito temperadas em todo o mundo.O tubarão–branco tem maxilares poderosos e filas de dentes afiads.alimenta-se de peixes, focas e se tiver oportunidade caça homens!Um tubarão-branco pode ter até 3000 dentes e cada um destes pode ter cerca de 8 centímetros de comprimento.O tubarão-branco tem uma visão apurada, óptima para ver debaixo de água e um excelente olfacto.Consegue cheirar o alimento ou um pequeno vestÍgio de sangue a uma grande distância.O tubarão-branco é o peixe predador de maiores dimensões existente na actualidade. Pode atingir 7,5 metros de comprimento e pesar 2,5 toneladas. Esta espécie vive nas águas costeiras de todos os oceanos.É a unica que sobrevive, na actualidade, do género carcharodon.Características geraisOs tubarões–brancos caracterizam–se pelo seu corpo em forma de fuso e grande robustez, em contraste com a forma espalmada de outros tubarões.-O focinho é em forma de cone, curto e largo.

TUBARÃO BALEIA - Considerado o maior peixe de água salgada do mundo, o tubarão baleia pode medir entre 15 a 20 metros de comprimento e pesar até 13 toneladas. Ele pode ser encontrado nos mares tropicais. Apesar de seu grande tamanho, é tido como um animal inofensivo, tão dócil quanto um golfinho, inclusive permite que mergulhadores se aproximem dele. Normalmente o bicho se alimenta de pequenos organismos que vivem no mar. Ele apresenta a cabeça achatada e o corpo possui manchas claras. Pode ser encontrado próximo a linha do Equador e ao longo da costa.

TUBARÃO MARTELO - O tubarão-martelo é um predador agressivo que consome peixes, cefalópodes, raias e outros tubarões. Ocorre em áreas temperadas e quentes de todos os oceanos em zonas de plataforma continental. São animais gregários que se deslocam em cardumes que podem atingir 100 exemplares.
O ritual de acasalamento do tubarão martelo é muito violento, onde o macho persegue e morde a fêmea até esta aceder aos avanços. A fecundação é interna e os ovos são incubados dentro do corpo da fêmea ao longo de 10 a 12 meses, até esta dar à luz cerca de 12 a 15 juvenis totalmente formados. A espécie não presta cuidados parentais às crias.
O formato aero-dinâmico lhe proporciona uma maior velocidade na hora de girar a cabeça. E também porta um maior numero de ampolas de Lorenzini, que tem a função de detectar campos magnéticos tão minúsculos quanto o batimento cardíaco de pequenos peixes.
Os martelos são os tubarões mais ameaçados de extinção. A população em 2003 correspondia a apenas 10% do número estimado de animais em 1986, ano em que os registros populacionais começaram a ser efetuados.

TUBARÃO SERRA - tubarões-serra, desenvolveram um focinho distintamente achatado, em forma de espada e armado de dentes afiados, que o animal usa para atordoar peixes pequenos e outras criaturas.

TUBARÃO CINZENTO DO RECIFE - O Tubarão-Cinzento-do-Recife é o 6º mais perigoso para o Homem, devido à sua competitividade. Tem um tamanho máximo de 255 cm. Come peixes do recife, moluscos e artrópodes. É muito comum no oceano Índico (Madagascar, Seychelles e Maldivas) e no Pacífico central (Tailandia, Australia, Filipinas, Indonesia, Arquipélago Tuamoto e Tahiti). Vive em zonas costeiras e pelágicas, junto a recifes ou perto das áreas que fazem fronteira com a plataforma continental e as fossas abissais, a profundidades máximas de 280m. É uma espécie com muita actividade social, nadando em conjunto com os seus semelhantes a grandes velocidades. Tem grande interesse pelo que lhe é estranho, investigando mesmo sem estímulo alimentar, como por exemplo, mergulhadores a entrar na água num calmo Domingo de Verão. Apesar de serem activos durante o dia, são de maior actividade durante a noite podendo também permanecer imóveis no fundo por muito tempo. É um animal vivíparo, com 1 a 6 descendentes e períodos de gestação de cerca de 12 meses. A maturação dos machos é quando atingem os 130cm e a das fêmeas quando atingem 120cm.

TUBARÃO AZUL - O Tubarão Azul possui este nome devido a sua cor azul.Ele possui grandes olhos,e uma longa nadadeira peitoral.
Cresce até 4 metros.
Ele adora mar aberto e raramente se aventura ficar muito perto da costa ou dos humanos.
Eles viajam milhares de milhas por ano,se alimentam de lulas e de pequenos peixes em qualquer lugar desde a superfície até 450 metros de profundidade.
Seus dentes são pontudos e serrados.São considerados os menores tubarões entre os ditos "Grandes Tubarões"
Os tubarões-azuis (“Blue Sharks”) estão entre os mais comuns e melhores distribuídos, sendo normalmente vistos no alto-mar, e em certas ocasiões, em águas costeiras.
Eles são famosos pela sua capacidade migratória.
Há conhecimento de alguns exemplares que nadaram milhares de quilômetros entre dois continentes em apenas alguns meses.
Os tubarões-azuis são peixes de pesca esportiva muito popular e alvo de muitos pescadores.
Mas a verdadeira ameaça a eles vem dos barcos de pesca comercial, que podem apanhar cerca de 20 milhões de tubarões-azuis por ano, muitas vezes através das redes utilizadas para pescar outras espécies.
Grande parte das barbatanas utilizada nas famosas sopas de barbatanas vem desta espécie.
Tamanho Máximo: 3,8 metros
Distribuição: Águas tropicais e temperadas de mundo inteiro, principalmente em mar aberto.
Dieta: Pequenos peixes com espinhas e lulas.
Reprodução: Vivíparos. Entre 20 e 50 crias por ninhada.

TUBARÃO CABEÇA-CHATA - O Tubarão-Cabeça-chata (Carcharhinus leucas) é o mesmo Tubarão-Touro ou simplesmente Cabeça Chata, é o mais perigoso para o Homem, muito numeroso e bem-sucedido devido ao fato de poder viver tanto em água salgada como em água doce. O cabeça-chata é um dos tubarões que mais atacam seres-humanos, com duas características de habitat particulares: se encontra com mais facilidade em mares tropicais; possui uma glândula que evita perda de sal do corpo, podendo nadar em águas doces, subindo cabeceiras de rios, ação fatal a seus parentes. Crescem dentre 3 a 3,5 metros. Dieta - Comem peixes incluindo outros tubarões (comem até tubarões da mesma espécie) e arraias, comem tartarugas marinhas, pássaros, golfinhos. Ele come quase de tudo. São encontrados perto de costas das praias , mas podem viver por um tempo em rios e lagoas , já foi encontrado 3 km acima no rio Mississipi (nos EUA) e a 4 km acima do rio amazonas , vivem numa profundidade de 30 m ou até menos de 1 m, são encontrados no Brasil também, principalmente no Recife essa espécie de tubarão é responsável por diversos ataques na praia de Boa Viagem junto com o tubarão tigre, essas duas espécies de tubarão são encontradas facílmente na praia de Boa Viagem, mas não vai querer visitá-los pois essas duas espécies são consideradas super perigosas aos humanos. São vivíparos e nascem mais ou menos 13 filhotes, e a gestação dura 1 ano, os filhotes de tubarão de Zambezi nascem com 70 cm de comprimento e são encontrados normalmente em baías e em boca de rios. Possuem espectativa de vida de 14 anos.

TUBARÃO DA GROELÂNDIA -(Somniosus microcephalus) é um dos maiores tubarões do mundo, chegando a medir mais de 6,5 metros de comprimento. Uma espécie com 7,3m é frequentemente mencionado na literatura especializada, e passou a ser aceito como o maior tamanho já notificado de um tubarão da Groenlândia. Em janeiro de 1985 foi capturado na na Ilha de May, Escócia, um individuo com 6,4m de comprimento e pesando 1,021kg. Esse animal é conhecido por sua aparência e movimentos indolentes, diferentemente das outras espécies, que são mais agressivas. Normalmente encontrado a mais de 1.200 metros de profundidade no Ártico e nos mares do norte do Atlântico, mas já foi observado em lugares tão distantes como a Argentina e a Antártica. Alimentam-se principalmente de peixes, e algumas vezes, até focas. Já foram encontradas partes de cavalos e ursos-polares em estômagos de tubarões da Groenlândia.

TUBARÃO DE GALÁPAGOS - (Carcharhinus galapagensis) é uma espécie de tubarão catalogada primeiramente em 1905 depois que espécimes foram encontradas nos mares em torno das Ilhas Galápagos.




TUBARÃO DUENDE - (Mitsukurina owstoni) é uma espécie que habita nas águas profundas, raramente é visto com vida. Pertence a família Mitsukurinidae . Atinge até 4 metros de comprimento. Pouco se sabe sobre a reprodução destes animais que são ainda cercados de mistérios que já foi encontrado a 1200 metros de profundidade. Vive no oeste do oceano Pacífico e a oeste do Índico e a leste e oeste do oceano Atlântico
Supostamente alimenta-se de lulas, camarões, polvos e outros moluscos que também habitam no fundo do mar. Acredita-se que ele encontra suas presas a partir de impulsos elétricos pelo seu longo nariz em forma de faca incorporada por minúsculas células sensoriais. Possui também uma grande boca com dentes em forma de agulha.
Os tubarões-duendes são um dos mais antigos tubarões existentes no mundo atual. Há registro desta espécie ao largo das costas das ilhas japonesas, Austrália e do sul africano.
O Tubarão Duende é chamado também de Goblin, é um animal muito raro de ser encontrado. Desde 1898 foram encontrados 36 tubarões da espécie goblin.
O último registro foi em Tóquio, onde o animal nadava em águas rasas. Não se sabem por que, mas já é a segunda espécie de tubarões muito raros que nadam em águas profundas encontrados no ano de 2007.

TUBARÃO MAKO -CAVALA - É um tubarão encontrado em mares tropicais e temperados, usualmente a temperaturas acima de 16ºC. Pertence a família Lamnidae.
Pode chegar até 4,3 metros de comprimento e possui uma cor azul metálica. É considerado o tubarão mais rápido, sendo um excelente nadador e podendo chegar aos 88 km/h, ultrapassado em velocidade apenas pelo atum. Consegue manter a sua temperatura superior à do meio.
Alimenta-se de peixes de alto-mar e de outros tubarões. Não foram registrados ainda casos de ataques a humanos, embora sua periculosidade seja questionável.

TUBARÃO TIGRE - O tubarão-tigre (Galeocerdo cuvier) é um dos mais temidos tubarões, pertence à família dos carcarrinídeos de águas tropicais e subtropicais, encontrado em diferentes ambientes e comum no Nordeste do Brasil. Chega a medir até 6 m de comprimento, possuindo corpo robusto, cabeça larga e achatada, focinho curto e arredondado, nadadeira caudal pontuda, dorso variando de cinza-escuro a cinza-amarronzado com manchas escuras verticais.
É muito agressivo, sendo a espécie com maior número de ataques. Sua pesca comercial é realizada com espinhel e rede pesada. O seu nome provêm das riscas pretas que apresenta ao longo das costas, que vão desaparecendo à medida que o tubarão envelhece.
O tubarão-tigre é um predador perigoso, conhecido por comer uma reportório notável de coisas. A sua dieta inclui normalmente peixe, focas, tubarões mais pequenos, lulas e até tartarugas. Já foram encontradas matrículas e pedaços de pneus no seu tracto dogestivo. Este tubarão tem ganho uma recente notoriedade devido aos seus ataques a mergulhadores
O tubarão-tigre encontra-se em segundo lugar, ultrapassado apenas pelo tubarão-branco, no que toca ao número de fatalidades humanas, e é considerado, junto com o tubarão-branco, o tubarão-touro e com o tubarão-de-ponta-branca, um dos mais perigosos para o ser humano.
Também é conhecido pelos nomes de cação-jaguara, cação-tintureiro, jaguara, tigre, tubarão-jaguara, tubarão-tigre, tubarão-tintureira.

TUBARÃO TOURO - O tubarão-touro (Carcharias taurus) é a única espécie de tubarão que é capaz de nadar em águas doces (rios).
Diz-se que este tubarão frequenta os rios para darem a luz pois os outros tubarões não conseguem nadar nos rios, assim os tubarões touro tem as crias protegidas e regressam ao mar quando nascem as crias.
Tem um aspecto bastante ameaçador, com fileiras de dentes bem visíveis. A sua pele é normalmente castanho-areia ou acinzentada, chegando a atingir 2,7 m de comprimento. Os machos são normalmente mais pequenos que as fêmeas. Alimenta-se de peixes, raias, caranguejos e lagostas, polvos e lulas.
Diz-se que este tubarão frequenta os rios para darem a luz pois os outros tubarões não conseguem nadar nos rios, assim os tubarões touro tem as crias protegidas e regressam ao mar quando nascem as crias. É mais ou menos frequente ataques destes tubarões em rios de águas turvas, visto que, sendo os rios locais de procriação, estes tubarões tornam-se bastante defensivos, atacando tudo o que possa ser uma ameaça para as suas crias. É também muito territorialista. De resto, não é uma espécie ameaçadora

TUBARÃO COBRA - Tubarão cobra
Esta espécie, que se julgava extinta, tem cerca de dois metros de comprimento e habita águas em profundidades que vão desde 600 a 1000 metros. Tem uma importância económica reduzida (pesca).
Um exemplar fêmea de Tubarão-cobra foi filmado em 24 de janeiro de 2007 numa raríssima aparição em águas pouco profundas do litoral do Japão, próximo à cidade de Shizuoka. No entanto, o espécime se encontrava em péssimo estado físico e morreu horas após ser coletado.
O tubarão-cobra é uma das criaturas mais antigas já encontradas vivas nos dias de hoje. Já foram encontrados fósseis deste animal com cerca de 80 milhões de anos.
Chlamydoselachidae é uma família de tubarões que contém apenas o tubarão-cobra como espécie extante.

TUBARÃO ELEFANTE - Tamanho – até 10 metros de comprimento e chega a pesar 4 toneladas. Dieta – sua alimentação inclui plâncton, filhotes e ovos de peixes. Estocam comida em seu fígado para sobreviver. Habitat - vive em costas de águas temperadas de todo o mundo, onde é encontrado perto da superfície. Reproducão - atinge a maturidade entre os 2-4 anos de idade. Se acasalam no verão nas costas dos mares do norte da Europa, tendo 3,5 anos de gestação. São ovíaros e dão cria de 1 a 2 filhotes de 1,5m por gestação. Infelizmente eles são caçados no Japão, nos EUA e em outros países devido a seu óleo. Seu fígado pode dar entre 200 a 400 galõe de óleo. Estes tubarões crescem rápido e chegam a ter 10 metros de comprimento.

TUBARÃO GALHA - É um tubarão mais agressivo, mas não chega a crescer muito. Obedece ao mesmo ciclo de filhotes que o Tubarão Martelo tendo filhotes de 70 a 80 centímetros de comprimento. Estes tubarões vem em grupos de grande quantidade para as praias a procura de alimento. Características: É Comum no Norte e Nordeste do Brasil. Mede cerca 2,5 metros de comprimento. Prefere as águas temperadas tropicais. Alimenta-se de peixes pequenos e de invertebrados.

TUBARÃO GALHA BRANCA - Assim como o tubarão azul, é comum em todo o Brasil. Atinge 4 metros de comprimento, alimentando-se de pequenos peixes de alto-mar. Considerado um tubarão muito agressivo.

TUBARÃO GATO - Existem tubarões de todos os tamanhos e formas. Um dos menores, o pigmeu com espinhos, mede apenas 1,2 metro na idade adulta. O maior deles, o tubarão-baleia, pode atingir mais de 12 metros. Os tubarões altamente ativos tendem a ter o formato de torpedo, mas muitos dos menos ativos são bem magros. Os tubarões também divergem muito quanto aos seus hábitos e habitats. Eles vivem em todas as partes do mundo e nadam a qualquer profundidade. Os tubarões maiores, mais ativos, tendem a caçar na metade e nas partes mais superficiais do oceano, enquanto que muitos tubarões menores ficam perto do fundo do oceano. Alguns tubarões nadam longas distâncias diariamente, enquanto outros levam uma vida relativamente sedentária, limitando-se a uma área pequena.

TUBARÃO LIMÃO - O Tubarão Limão mede até 3 metros de comprimento e entre suas principais características destacam-se seus dentes pequenos e pontudos. Esta espécie normalmente vive em baías e até em boca de rios. No Brasil, o tubarão-limão pode ser encontrado em Fernando de Noronha e no Atol das Rocas. O Tubarão Limão tem a cauda bem semelhante a do TUBARÃO BALEIA. Possui uma cor acastanhada ou amarelo. O tubarão limão possui uma segunda nadadeira dorsal e prefere habitar locais rasos junto ao fundo de areia em lagoas. O Tubarão Limão adulto costuma ser mais ativo a noite. Estudos comprovam que eles não costumam fazer grandes viagens. Adultos são tímidos aos mergulhadores, mas se ameaçados se tornam agressivos. Existem pouquíssimos registros de ataques a humanos e nenhum registro de ataque que tenha sido fatal para o mergulhador.

TUBARÃO LIXA - Há dois tipos de tubarão-lixa: o grande e o pequeno. Ambos vivem ao longo das costas do Atlântico. Sua cor é amarelo-creme, matizado de vermelho e com manchas, como se fosse um leopardo do mar. Seus dentes se assemelham aos do tubarão-azul, que é seu parente.
O tubarão-lixa grande é quase duas vezes maior que o pequeno. Suas manchas cinzentas, em forma de meia lua, não podem ser confundidas com as manchas vermelhas das espécies menores. Os pescadores às vezes encontram tubarões-lixas em suas redes e quando isso acontece, é certo que elas estarão rasgadas. Ambos os tipos procuram seu alimento, especialmente arenques, em profundidades que vão de 40 a 400 m. Nadam rapidamente e caçam em grupos de oito a dez. Nadam em ziguezague por baixo dos cardumes de arenques e forçam sua presa a subir até a superfície. Podem ser vistos nadando com a boca fora da água, levantando espuma e brilhando como prata. Os ovos que as fêmeas põem são duros e têm uma linda cor de âmbar transparente com filamentos dourados. São colocados num invólucro oblongo, e parecem obra de um extraordinário joalheiro.

TUBARÃO MANGONA - Tubarão mangona
Facilmente reconhecida pelo seu corpo robusto e por possuir as duas nadadeiras dorsais do mesmo tamanho. Tem coloração em tons de marrom e atinge até 3,5 metros de comprimento. Apesar de todo este tamanho é uma espécie inofensiva, apesar de existirem relatos de ataques a caçadores. Habita mares tropicais ou temperados, sendo observado nas proximidades de recifes rochosos e de corais. Se alimenta tanto de peixes ósseos como pequenos tubarões e raias. Para compensar sua flutuabilidade negativa, costuma engolir ar atmosférico e usar seu estômago como se fosse uma bexiga natatória, um comportamento que não é muito comum entre os tubarões.


TUBARÃO RAPOSA - O tubarão Raposa uma espécie comum nas águas tropicais do litoral brasileiro. Sua é cauda muito curiosa, pois mede o mesmo tamanho do seu corpo. Pode medir 5,50 metros de comprimento. Alimenta-se de outros peixes comuns em alto-mar.
É uma espécie comum nas águas tropicais do litoral brasileiro. Chega a medir 5,50 metros. Possui uma cauda curiosa, que mede o mesmo tamanho do seu corpo. Alimenta-se de outros peixes comuns em alto-mar.

Postagens populares

VÍDEOS SOBRE O MAR

Loading...

National Geographic POD

Loading...

Google+ Followers

Google+ Badge